domingo, 16 de agosto de 2020

Hipótese versus Problema do texto acadêmico-científico - Monografias e TCCs

   Bom dia! Estabelecer a hipótese – ou resposta hipotética – em um texto acadêmico-científico é algo que exige o cuidado na pesquisa e leitura de obras e autores especializados no tema sobre o qual se pretende escrever, a partir da definição do problema a ser investigado. Em 02 de agosto de 2020, publiquei o artigo denominado: "Problema vs. Hipótese do texto acadêmico-científico – Monografias e TCCs”, cujo link é: [http://www.abntouvancouver.com.br/2020/08/problema-versus-hipotese-do-texto.html], no qual abordei a questão da problematização e da hipótese, assuntos aos quais voltamos hoje. 

   No que se refere à aquisição de saberes e práticas científicas, Praia, Cachapuz e Gil-Perez (2002, p.255) defendem que “o conhecimento científico é um constante jogo de hipóteses e expectativas lógicas, um constante vaivém entre o que pode ser e o que é, uma permanente discussão e argumentação/contra-argumentação entre a teoria e as observações e as experimentações realizadas”.

  Sobre a construção do conhecimento científico, Barros (2008, p.153) explica que uma hipótese sugerida como resposta a um problema de pesquisa pode ser considerada como “uma espécie de fio condutor para a construção do conhecimento”. Este autor define o problema e a hipótese (BARROS, 2008, p.153):  
Problematizar é lançar indagações, propor articulações diversas, conectar, construir, desconstruir, tentar enxergar de uma nova maneira, e uma série de operações que se fazem incidir sobre o material coletado e os dados apurados. Problematizar, nas suas formulações mais irredutíveis, é levantar uma questão sobre algo que se constatou empiricamente ou sobre uma realidade que se impôs ao pesquisador. 
   Ainda Barros ensina que a proposição de uma resposta hipotética colabora para que “o impasse produzido pelo problema” permita a busca pela solução adequada, podendo ser “descartadas” as hipóteses que não atendam à resposta desejada/necessária. Assim, Barros (2008, p.152-3) define que “a hipótese corresponde a uma resposta possível ao problema formulado, a uma suposição ou solução provisória mediante à qual a imaginação se antecipa ao conhecimento, e que se destina a ser ulteriormente verificada (para ser confirmada ou rejeitada)”.

   Mesmo que seja “provisória”, a hipótese colabora na argumentação científica, tendo algumas funções nessa construção do conhecimento científico, que merecem destaque (BARROS, 2008, p.153):
1. Função Norteadora: direcionamento da pesquisa, ao fixar as finalidades de cada etapa a ser cumprida ao longo da pesquisa, e ainda, no que se refere aos procedimentos metodológicos específicos;
2. Função Delimitadora: restringir o campo de pesquisa;
3. Função Interpretativa: propor uma possível solução para o Problema investigado
4. Função Argumentativa: desencadear inferências e funcionar como pontos de partida para deduções (encaminhamento do método hipotético-dedutivo de raciocínio) 
5. Função Complementadora: preencher lacunas do conhecimento, ao propor explicações provisórias;
6. Função Multiplicadora: se potencialmente generalizável, permitir uma aplicabilidade adaptada a outras pesquisas (possibilitando, desta forma, o avanço ou o enriquecimento do conhecimento científico). 
   Praia et al. (2002, p. 254-5) adotam a mesma linha de raciocínio de Barros (2008), ao defenderem que “a hipótese tem um papel de articulação e de diálogo entre as teorias, as observações e as experimentações, servindo de guia à própria investigação”. Assim, é importante ressaltar “a criação da hipótese científica e a sua validação”, ou seja, a resposta hipotética deve ser confirmada ao longo do texto, podendo ser essa confirmação “positiva ou negativa”.

   Para Carvalho (2000, p.3), “ a ciência não é imediatista, não se contenta com informações superficiais sobre um aspecto da realidade, mesmo que esta informação seja útil de alguma maneira”; a ciência procura sempre corrigir suas produções, já que “o conhecimento científico se caracteriza também como uma procura das possíveis causas de um acontecimento”.

   Em resumo, a partir da formulação do problema a ser investigado pelo tema escolhido, e principalmente, com a leitura de toda a literatura selecionada para a escrita de sua monografia/TCC, as teorias e conceitos analisados permitirão ao aluno(a)/pesquisador(a) que proponha uma solução hipotética condizente com sua pesquisa.

   Lembre(m)-se de mostrar ao seu orientador(a) o tema escolhido, o problema a investigar e os principais autores selecionados.
Regina Del Buono
Email: abntouvancouver@gmail.com
Skype: abntouvancouver2012
Referências

BARROS, José D’Assunção. As hipóteses nas Ciências Humanas — considerações sobre a natureza, funções e usos das hipóteses. Sísifo /Revista de Ciências da Educação, n. 7, set/dez.2008.

CARVALHO, Alex et al. Aprendendo Metodologia Científica. São Paulo: O nome da Rosa, p. 11-69, 2000.

PRAIA, João; CACHAPUZ, António; GIL-PEREZ, Daniel. A Hipótese e a experiência científica em educação em ciência: contributos para uma reorientação epistemológica. Ciência & Educação, v. 8, n. 2, p. 253-262, 2002. Disponível em: [https://www.scielo.br/pdf/ciedu/v8n2/09.pdf]. 

sábado, 15 de agosto de 2020

A cultura científica... Gaston Bachelard

                                                              “Na cultura científica tornamo-nos, necessariamente,
o sujeito consciente do ato de compreender. 

E se o ato de compreender supera uma dificuldade, 
a alegria de compreender compensa todos os pesares".
 


Gaston Bachelard
filósofo e poeta francês
(1884 – 1962)

domingo, 9 de agosto de 2020

Dia dos pais 2020 - Uma oração para você!

Pai, uma oração para você

Pedi ao Pai para que guiasse seus passos, e que iluminasse sua mente.
Uma benção especial de Sua graça, 
pedi aos anjos para ficarem todo o tempo com você, 
vigiando-o e protegendo-o em tudo o que você fizer.

Quando eu orei ao Pai, 
pedi para que lhe enviasse nas asas dos anjos, 
um toque de amor e bondade.

Pedi para que sussurrem em seus ouvidos  paz e alegria, 
canções de amor e felicidade em delicada sinfonia angelical embalando seu sono.

Por fim, fiz ainda mais um pedido:
que o Pai permitisse que,
os anjos que o protegem, que proporcionem serenidade a você. 

Assim, quando você sentir uma leve brisa tocando o seu rosto, não se assuste:
são os anjos enviados de Deus, 
que pedi que viessem lhe proteger.

Autor desconhecido*

*texto localizado na internet, no qual tomei a liberdade de fazer pequenas correções gramaticais.

sábado, 8 de agosto de 2020

Os fantásticos livros voadores de Mr. Lessmore ...

O curta-metragem "Os fantásticos livros voadores de Mr. Lessmore" apresenta com muita leveza a grande importância da leitura como hábito fundamental para o crescimento humano, em todos os sentidos. 

Seja por lazer, informação ou aprendizado técnico, a leitura permite que possamos desenvolver ainda mais a nossa criatividade e imaginação, assim como colabora na formação do pensamento crítico e das emoções, já que nos ajuda a clarear nossa visão sobre o mundo que nos cerca. 



Roteiro: William Joyce

              Direção: William Joyce e Brandon Oldenburg                             


"Ler é viajar sem sair do lugar, voar sem ter asas, caminhar sem tirar os pés do chão, sonhar acordado, navegar em um mar de palavras, soltando a imaginação" (ALICE FERREIRA).   




  
      

domingo, 2 de agosto de 2020

Problema versus Hipótese do texto acadêmico-científico - Monografias e TCCs

   Boa tarde! A questão da hipótese, ou resposta hipotética no texto acadêmico-científico é um dos elementos iniciais com o qual o universitário(a)pesquisador(a) deve se preocupar, no momento de elaborar sua monografia/TCC. Dito de outra forma, são três os elementos iniciais: a escolha do tema, a definição do problema a ser investigado e a resposta a esse problema, que é a hipótese. Para explicar de forma simplista o conceito sobre uma hipótese científica, falemos antes sobre a importância da problematização de determinada situação. Em 05 de julho de 2020, publiquei um artigo denominado “O problema da pesquisa acadêmico-científica – Monografias e TCCs”, cujo link é: [http://www.abntouvancouver.com.br/2020/07/o-problema-da-pesquisa-academico.html]. A respeito do problema na pesquisa científica, Barros (2008, p.152) define que:
Problematizar é lançar indagações, propor articulações diversas, conectar, construir, desconstruir, tentar enxergar de uma nova maneira, e uma série de operações que se fazem incidir sobre o material coletado e os dados apurados. Problematizar, nas suas formulações mais irredutíveis, é levantar uma questão sobre algo que se constatou empiricamente ou sobre uma realidade que se impôs ao pesquisador.
   Uma vez que tanto o problema de um estudo acadêmico-científico, quanto a resposta ao mesmo devem acontecer na perspectiva científica, cabe destacar a definição dada por Fonseca (2008, p.19) sobre “a aquisição/construção do conhecimento em ciência, que é o “método científico”. Caracteriza-se por um conjunto de procedimentos racionais e pré-estipulados de que o pesquisador se utiliza para atingir uma determinada meta”.
   Já que o problema a ser investigado numa pesquisa acadêmica consiste em ser uma pergunta, a resposta ao mesmo deve ser uma afirmação categórica, ainda que seja uma resposta hipotética. Equivale a dizermos que essa resposta hipotética é uma suposição, isto é, “[...] uma asserção provisória que, longe de ser uma proposição evidente por si mesma, pode ou não ser verdadeira [...] (BARROS, 2008, p. 152-3).
   No caso de universitários(as) que estão elaborando pela primeira vez um trabalho científico, a compreensão dos elementos do texto, como um todo, assim como as diferentes etapas, costumam exigir o levantamento de obras/autores que discorram a respeito do tema escolhido, materiais esses que deverão ser amplamente analisados, permitindo sua maior compreensão.
    Aqui, eu mencionaria Gil (1996), ao defender que é preciso ter experiência na área cujo tema está sendo desenvolvido, mas, de minha parte, acredito ser fundamental – de fato – a leitura e compreensão das teorias analisadas, além da comparação das ideias, permitindo então, que seja proposta uma resposta hipotética, que, se feita desta forma, estará baseada no empirismo, isto é, nos conceitos defendidos pelos especialistas, e com isso, permitindo a viabilidade da hipótese proposta.
    Assim, estou defendendo que os(as) iniciantes na escrita científica devam dedicar-se à leitura e aprofundamento nas obras selecionadas para a elaboração de seu trabalho acadêmico-científico, permitindo aos acadêmicos(as) a proposição de uma hipótese que seja confirmada ao longo das teorias abordadas em seu texto.
    Bons estudos!
Regina Del Buono
Skype: abntouvancouver2012
Referências 
BARROS, José D’Assunção. As hipóteses nas Ciências Humanas — considerações sobre a natureza, funções e usos das hipóteses. 2008. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, n. 07, p. 151-162, set./dez.2008. Universidade de Lisboa. Disponível em: [http://sisifo.ie.ulisboa.pt/index.php/sisifo/article/view/127/211]; acesso em 02 maio 2020.
FONSECA, Regina C Veiga da. Metodologia do Trabalho Científico. 1.ed. rev. – Curitiba, PR: IESDE Brasil, 2012. Disponível em: [https://biblioteca.isced.ac.mz/bitstream/123456789/786/1/METODOLOGIA%20DO%20TRABALHO%20CIENTÍFICO.pdf]; acesso em 02 maio 2020.
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 3.ed. São Paulo: Atlas, 1996.

sábado, 1 de agosto de 2020

Manifesto pelos indígenas no Brasil e a Covid 19... por Sebastião Salgado

O que o mundo inteiro já sabe, o que milhões de pessoas esperam... 


Sebastião Ribeiro Salgado Júnior
(1944 -           )
economista e fotógrafo mineiro