domingo, 31 de agosto de 2014

Como destacar as palavras estrangeiras na Monografia?

Bom dia!
   Ao longo de um texto, é comum observarmos a existência de palavras ou expressões estrangeiras, grafadas em itálico. Referem-se a doenças, a determinadas instituições, ou ainda, às diferentes áreas de atuação profissional, entre outras. O fato é que utiliza-se o itálico para destacar dentro do texto, os termos dos quais "nos apropriamos" de outros idiomas, especialmente quando o texto tem o cunho científico, como é o caso das monografias e demais trabalhos acadêmicos. 
   É sempre recomendável que a a tradução da palavra, da sigla ou do nome mencionados sejam incluídos entre colchetes na sequência do texto, ou então, em nota de rodapé, juntamente com a fonte de onde foram obtidos. 
 Para exemplificar, podemos inicialmente mencionar a metodologia científica desenvolvida para a publicação de periódicos da área de Psicologia, a APA - American Psychological Association, que traduzida para o português, refere a Associação Americana de Psicologia, que ficou conhecida apenas pela sua sigla, no idioma original - Metodologia APA. 
  Outro exemplo seria a AIDS. Entre as expressões originadas da língua inglesa, a sigla AIDS representa a "Acquired Immune Deficiency" (AIDS)(1), ou, de outra forma, "Human Immunodeficiency Virus" (HIV)(2). Se você pesquisar em diferentes fontes de consulta por esta doença, encontrará estas siglas associadas HIV/AIDS, juntas ou separadamente, uma vez que convencionou-se internacionalmente referir a doença através  da sigla no idioma original. Entretanto, para os usuários da língua portuguesa, todas as explicações são facilmente encontradas em português. 
 Estamos falando dos estrangeirismos(3), tão comuns na língua portuguesa. Entre as inúmeras palavras e expressões que adentraram ao nosso vocabulário, estão: "shopping centermouse, stress, fast-food, email, hamburger, taxi, pizza, home care", entre tantas outras, as quais já são encontrados nos diferentes tipos de texto escritos em português, já sem o uso do itálico.
 Neste caso, um terceiro exemplo seria a palavra marketing, já totalmente integrada ao nosso idioma, e que não costuma ser grafada em itálico, mas que pode sê-lo.
 É importante deixar claro que, no contexto de um texto acadêmico-científico, seja qual for a área de especialização, e não somente para a Saúde, todas as expressões advindas de outro idioma devem ser destacadas em itálico e entre aspas. 
 Um abraço!  
Regina Del Buono
abntouvancouver@gmail.com

Referências e Notas de Rodapé
1. AIDS - Síndrome da Imunodeficiência Adquirida
2. HIV - Vírus da Imonudeficiência Humana
3. VIAN Jr., Orlando. Língua e Cultura Inglesa. Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2008.

9 comentários:

  1. Preciso de seu email ou telefone.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, meu endereço de email foi mencionado na mensagem de abertura: abntouvancouver@gmail.com. Um abraço!

      Excluir
  2. Olá Regina, surgiu uma dúvida. Mesmo a sigla EUA sendo universalmente conhecida, quando for citar um livro, texto ou alguém de lá, devo colocar por extenso? Só usaria uma única vez no trabalho, não sei se seria o caso de usar a sigla, já que teria que fazer uma folha só pra ela, na lista de abreviaturas? o que vc sugere? obrigada.

    ResponderExcluir
  3. Olá, Regina,num trabalho acadêmico sobre conjuntos habitacionais no Chile, em que aparecem vários nomes de condomínios escritos em espanhol, eles devem ser colocados em itálico?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Christianne Botosso, sim, os nomes dos condomínios devem ser grafados em itálico, uma vez que pertencem, originalmente, a outro idioma. Sinto muito pela demora em responder, mas infelizmente, não recebi o aviso rotineiro do BLOGGER sobre novos comentários, e por esse motivo, deixei de responder a tempo. Um abraço!

      Excluir
  4. Olá Regina. Seu blog é ótimo. Sobre essa questão de itálico para estrangeirismo, é uma convenção ou está em alguma norma? Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Ferbrito! Eu fico contente que tenha gostado do meu espaço e agradeço pelo seu elogio. No que se refere ao uso do itálico para estrangeirismos, trata-se de uma questão que foi definida pelo Manual de Comunicação do Senado Federal, do qual constam, inclusive, quais são as palavras e expressões estrangeiras que já são consideradas indexadas ao vocabulário da língua portuguesa, sendo que várias delas já foram aportuguesadas, como por exemplo, "uísque, em vez de whisky". A lista completa poderá ser visualizada no portal do Serviço de Comunicação (SECOM), cujo link é: [https://www12.senado.leg.br/manualdecomunicacao/redacao-e-estilo/estilo/estrangeirismos-grafados-sem-italico], vale a pena conferir. Em alguns dias, publicarei um artigo completo em atenção a esta sua pergunta, sendo assim, convido-a a voltar por aqui. Um abraço!

      Excluir
  5. Ótima postagem!!!

    E no caso de nome de "empresas", como a Apple ou a Microsoft, o seu nome deve ser colocado em itálico?

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde, Gleice, a´te onde eu tenho observado, os nomes das grandes empresas mencionadas, assim como de outras, não têm sido grafados em itálico. Acredito que você possa confirmar com seu(sua) orientador(a) qual seria a preferência. Boa sorte, um abraço!!

    ResponderExcluir